sábado, 21 de novembro de 2015

PBS NewsHour [1] usa imagens dos bombardeios russos ao anunciar bombardeios “bem sucedidos” dos EUA

                 


 Resultado de imagem para Moon of Alabama
por Moon Of Alabama       
tradução mberublue                  
20 de novembro de 2015 –  "Information Clearing House" - "Moon Of Alabama" – A mídia dos Estados Unidos não consegue chegar a um acordo consigo mesma se a Rússia está dando uma força aérea para o Estado Islâmico ou se a Rússia está castigando o Estado Islâmico com a maior campanha de bombardeios que se viu em uma década Esse tipo de confusão acontece quando a realidade observável entra em confronto com as fantasias da propaganda enganosa.

Fazer uma confusão desse tamanho exige uma manipulação enorme.

Então, quando os Estados Unidos afirmam que estão agindo contra as finanças do Estado Islâmico para justificar o pouco que fazem, o Serviço Público de Radiodifusão dos Estados Unidos vai usando os vídeos e fotos dos ataques russos contra o Estado Islâmico ao mesmo tempo em que “relata” os sucessos dos bombardeios dos Estados Unidos.

O exército dos Estados Unidos recentemente afirmou ter atingido caminhões tanque para transporte de petróleo na Síria. Mas só depois que Putin envergonhou Obama na reunião de cúpula do G-20, exibindo fotos de satélites de comboios desses caminhões, ridiculamente longos, esperando por dias e semanas para carregar petróleo para o Estado Islâmico sem qualquer interferência dos EUA.

Os Estados Unidos afirmaram então ter destruído 116 desses caminhões enquanto a força aérea russa contabilizou 500. Mas há uma importante diferença entre essas afirmações. Os russos providenciaram vídeos mostrando seus próprios bombardeios atingindo pelo menos duas reuniões de caminhões tanques com centenas de caminhões nos locais. Também providenciaram um vídeo de vários ataques sobre depósitos de petróleo e infraestrutura de refinarias.

Não encontrei qualquer vídeo de ataques dos Estados Unidos contra as reuniões de caminhões tanques do Estado Islâmico.

A PBS NewsHour também não.

No entanto, em sua reportagem de TV de ontem (19) sobre as fontes de financiamento do Estado Islâmico e afirmando que os Estados Unidos atingiram com bombardeios os caminhões tanques foram usados vídeos providenciados pelos russos sem a revelação da fonte. Você pode ver os vídeos russos rodando durante uma entrevista com o porta voz do exército (norte)americano aos 2:22 min do vídeo.

O porta voz do exército dos Estados Unidos fala à câmera sobre os ataques da força aérea dos EUA contra o Estado Islâmico. O vídeo corta para imagens tomadas por aviões russos atingindo tanques de petróleo e caminhões tanques. A voz ao fundo afirma: “pela primeira vez os Estados Unidos está atacando a entrega de petróleo para caminhões tanques”, só que o que está sendo exibido é o vídeo russo com seus aviões atingindo os caminhões. A reportagem então corta novamente para o porta voz do exército dos EUA.

Em nenhum momento da reportagem se menciona a campanha russa de bombardeios ou a fonte do vídeo exibido.

Qualquer espectador médio entenderá que o vídeo das explosões em preto e branco que está vendo, contra os tanques e caminhões tanques são de bombardeios dos Estados Unidos filmados por sua força aérea.

O próprio exército dos Estados Unidos já admitiu que seus ataques contra a infraestrutura de petróleo do Estado Islâmico teve efetividade “mínima”.  Poder-se-ia perguntar então o quanto foi realmente efetivo o anunciado ataque contra 116 caminhões tanques. Mas a menos que um vídeo desses ataques, feito pelos Estados Unidos e não uma cópia fraudulentamente exibida dos ataques dos russos como se fossem dos EUA seja mostrado, não dá para saber sequer se esse ataque realmente ocorreu.

Também há uma colisão violenta entre a verdade e a propaganda em relação às políticas dos Estados Unidos para a Síria. O presidente Obama vive a dizer que “a grande maioria das pessoas na Síria” querem que o presidente Assad deixe o poder. Mas pesquisas independentes na Síria descobriram que uma forte maioria de sírios ainda prefere o presidente Assad que qualquer das outras alternativas à vista.

Enquanto as notícias e análises revelam uma cooperação extensa entre membros da OTAN e seus aliados Estados Unidos, Turquia e Estado Islâmico, os EUA estãosolicitando uma ainda mais forte cooperação da Turquia para abastecer o conflito na Síria com ainda mais armas, e assim, inevitavelmente, abastecer também o Estado Islâmico. Alguns dos aliados dos Estados Unidos estão muito provavelmente profundamente envolvidos no trabalho de equipar e financiar o Estado Islâmico.

O Kuwait acabou de prender uma gangue que estava contrabandeando armas originárias do novo estado vassalo dos Estados Unidos, a Ucrânia, para o Estado Islâmico. O exército iraquiano e a milícia xiita encontraram grandes quantidades dedinheiro (vid) que teriam sido contrabandeados a partir do Estado Islâmico. Como é que pode o serviço de inteligência dos Estados Unidos, que tudo pode e tudo vê (incluindo os seus e-mails, caro leitor) ser incapaz de descobrir de onde vem o financiamento e para onde vai o contrabando do Estado Islâmico, enquanto outros países muito menores, com escassos recursos, podem e fazem?

Tudo isso faz pensar que os Estados Unidos estão realmente em campanha na Síria contra o Estado Islâmico? Ou toda esta “campanha” é tão falsa quanto o vídeo do PBS e tão fraudulenta quanto as declarações de Obama? Por que será que os Estados Unidos estão tão profundamente envolvidos com o “Lado Sombrio” na Síria?


Moon of Alabama - Resultado de imagem para Moon of Alabama

[1] – O PBS NewsHour é um programa noturno de notícias radiofônicas e televisivas dos Estados Unidos que é transmitido pelo Serviço Público de Radiodifusão (PBS na sigla em inglês – NT), e acontece sete noites por semana através de uma rede de mais de 300 emissoras membros. É conhecido nos EUA pela profundidade na cobertura das questões da atualidade.