terça-feira, 17 de novembro de 2015

Lavrov da Rússia:    

"EUA não combatem a sério contra os terroristas na Síria"     



 Resultado de imagem para Moon of Alabama
Moon of Alabama       
Tradução Pelo Coletivo Vila Vudu                                        


Durante toda a semana passada, a Força Aérea da Rússia atualizou sua lista de alvos na Síria. Prepararam-se planos, as unidades foram designadas, a munição foi carregada.


Hoje, o presidente Putin anunciou que a destruição do avião russo de passageiros com 224 pessoas a bordo sobre a península do Sinai foi ação dos terroristas do grupo ISIS/ISIL/Daich, codinome "Estado Islâmico". Foram encontrados traços de explosivo em partes que estavam sendo examinadas do avião destruído.


Agora, a missão russa na Síria deixa de ser ajudar o governo sírio e passa a ser  assunto da autossegurança nacional da Federação Russa. O Parlamento Russo não poupou palavras, sobre os culpados reais pelo atentado:


"Os recentes trágicos desenvolvimentos confirmam o acerto e a relevância das repetidas advertências, feitas pela Rússia, de que a desestabilização permanente do Oriente Médio, pelos que reivindicam para eles a dominação global – em primeiro lugar os Estados Unidos da América –, pode levar à expansão da zona de caos sangrento e gerar numerosas outras tragédias humanas" – diz o documento.  – "França e outros estados europeus estão, como afinal se vê, colhendo as consequências da visão míope e da política autista de Washington."

Não há retorno nem prazo marcado para a Rússia.


Enquanto Putin falava, navios russos no Mar Cáspio, submarinos no Mediterrâneo e bombardeiros estratégicos de longo alcance que decolavam da Rússia lançaram 34 mísseis cruzadores contra alvos dos terroristas na Síria.


O ministério da Defesa da Rússia anunciou que duplicará o número de ataques aos terroristas usando 5 TU-160, 6 TU-95MS, 14 TU-22m3, 8 SU-34 e 4 SU-27sm além das 34 aeronaves que já estão na Síria. Os novos dispositivos de ataque são todos de longo alcance e provavelmente decolarão diretamente de território russo. Atacarão alvos estáticos que a inteligência conjunta russa-síria lhes designarão. 


Os aviões estacionados na Síria terão agora missão mais tática, no apoio direto a combate aéreo para o Exército Árabe Sírio e forças aliadas em campo. 


A capacidade de ataque será imediatamente duplicada e há planos para ampliá-la ainda mais, sendo o caso.


Os franceses, que agora bombardeiam terroristas do ISIS/ISIL/Daich, codinome "Estado Islâmico" em retaliação pelos ataques em Paris, também estão aumentando sua capacidade de ataque, movendo para a costa síria o seu principal porta-aviões. 


O presidente Putin ordenou pessoalmente que todos os navios russos no Mediterrâneo reconheçam as forças francesas na categoria de aliadas. Pode ser uma abertura à França e uma oferta para que Hollande abandone sua linha de oposição ferrenha à Síria e ponha fim ao apoio que a França continua a dar aos insurgentes anti-Síria.


Depois que Putin praticamente obrigou Obama a bombardear os pontos de venda de petróleo dos terroristas doISIS/ISIL/Daich, codinome "Estado Islâmico", seu ministro de Relações Exteriores Lavrov deu ainda um passo adiante. Lavrov acusou diretamente os EUA de não estarem combatendo a sério contra os terroristas doISIL/ISIS/Daich/Estado Islâmico, na Síria:


"O problema com a coalizão liderada pelos EUA é que, apesar de dizerem que o objetivo deles é combater contra exclusivamente os terroristas do Estado Islâmico e outros grupos, e de se terem comprometido a atacar o Exército Árabe Sírio (...), se se analisam os ataques feitos pelos EUA e sua coalizão contra posições terroristas durante, já, um ano inteiro, chega-se necessariamente à conclusão de que sempre foram ataques seletivos, eu diria, ataques para poupar, não para enfraquecer os terroristas, e na maioria dos casos são ataques que 'evitaram' cuidadosamente os terroristas que pudessem pressionar o Exército Árabe Sírio" – disse Lavrov. 


"Parece gato que quer comer o peixe, mas não quer molhar os pés. Eles querem que os terroristas enfraqueçam Assad o mais rapidamente possível, para forçar o presidente da Síria a renunciar de um modo ou de outro, mas não querem ver os terroristas com força suficiente para tomarem o poder."


Que os EUA não estavam combatendo a sério contra os terroristas do ISIL/ISIS/Daich codinome "Estado Islâmico" já era perfeitamente evidente para qualquer observador. Mas agora é avaliação pública e posição exposta universalmente pela Rússia, e os EUA terão de reagir.


Talvez o plano de Lavrov seja forçar os EUA a lutarem com mais seriedade contra os terroristas. Com os ataques na França e o atentado contra o avião russo já decifrado (e mais coisas provavelmente virão à tona), as chances de que aconteça como Lavrov talvez deseje não são assim tão fracas.


A Rússia 'isolada' que nunca esteve de fato isolada, agora está totalmente não isolada. A posição retórica dos EUA é agora defensiva, com a Rússia assumindo a liderança na luta contra os terroristas na Síria. Mas os EUA ainda querem dar a impressão de que estariam fazendo alguma coisa:


O secretário de Estado dos EUA John Kerry disse na 3ª-feira que seu país está iniciando uma operação com a Turquia, para completar a segurança na fronteira norte da Síria. 


"Toda a fronteira norte da Síria – 75% dela já está fechada. E estamos entrando numa operação com os turcos, para fechar os restantes 98 quilômetros" – disse Kerry em entrevista à CNN.


Não é mudança assim tão impressionante. Doravante, atravessar a fronteira e todas as modalidades de contrabando exigirão alvará, ou de algum serviço secreto turco ou da CIA


Só haverá mudança real na posição dos EUA, quando pararem de garantir apoio a todas as variadas forças terroristas que combatem contra o governo sírio. Mas isso talvez exija choque ainda maior que um ataque em Paris ou um avião russo derrubado no Sinai.

Moon of Alabama          Resultado de imagem para Moon of Alabama