sexta-feira, 13 de novembro de 2015

A Rússia ameaçou "gentilmente" os EUA? É mesmo?!
                                                                           


Resultado de imagem para The Saker
The Saker, The Vineyard of the Saker     
Tradução pelo Coletivo Vila Vudu                                           



Negócio interessante, o que aconteceu hoje. Um grande canal de TV russo acaba de pôr no ar reportagem sobre reunião entre Putin e os mais altos comandantes militares russos. Não tenho tempo para traduzir o que Putin dizia, palavra a palavra, mas, basicamente, dizia que os EUA recusaram toda e qualquer proposta que a Rússia lhes fez para negociar a questão do sistema antimísseis dos EUA na Europa e que, apesar de os EUA terem dito inicialmente que o alvo real daquele sistema seria o Irã, mesmo agora, depois de a questão nuclear iraniana já estar resolvida, os EUA continuam a implantar o sistema. E Putin acrescentou que os EUA estão claramente tentando alterar o equilíbrio militar mundial. 
 

Então, na sequência, a matéria do canal russo mostrou o que se vê aqui. 


Segundo o Kremlin, seria documento secreto inadvertidamente vazado. E só para ter certeza de que todos entenderam perfeitamente o que fora vazado, RT escreveu longo artigo em inglês sobre o vazamento, intitulado "'Dano inaceitável garantido': canal da TV russa vaza inadvertidamente projeto secreto de torpedo nuclear". Segundo RT,


"O slide de apresentação intitulado "Ocean Multipurpose System: Status-6" mostrava projetos de um novo sistema de armas para submarino nuclear. Aparentemente, foi projetado para escapar aos radares da OTAN e a qualquer sistema existente de mísseis de defesa, ao mesmo tempo em que causa dano pesado a "importantes instalações econômicas" ao longo das regiões costeiras do inimigo. Uma nota de rodapé aposta àquele slide explicava que o Status-6 visa a causar "dano inaceitável garantido" a força adversária. Detonado "na área do litoral inimigo" resultaria em "zonas extensivas de contaminação radioativa" que garantidamente tornariam a região inutilizável para "qualquer atividade militar, econômica, empresarial ou de qualquer outro tipo" por "longo tempo." Conforme a informação na imagem mal definida do slide, o sistema mostra torpedo gigante, projetado como "veículo submarino de autopropulsão", com alcance de mais de 10 mil quilômetros e capacidade para operar em profundidade superior a mil metros."







Embora nos primeiros anos depois da 2ª Guerra Mundial os soviéticos tenham, sim, examinado todos os tipos de esquemas para ameaçar de destruição os EUA, o desenvolvimento subsequente das capacidades nucleares dos soviéticos tornaram praticamente inútil desenvolver desse tipo de "arma do Apocalipse". Pessoalmente, não acredito, nem por um segundo, que os russos considerem seriamente a ideia de desenvolver sistema desses, que seria, literalmente, desperdício de recursos. Assim sendo, o que está, de fato, acontecendo?


O dito "vazamento" de "documentos secretos", evidentemente, não foi vazamento, coisa nenhuma. Foi ação completamente deliberada. Imaginar que algum jornalista russo, por engano, filmaria documento secreto, que um general ergueria gentilmente para que ele visse melhor, e depois mandaria as imagens à redação do jornal ou rede de televisão onde o editor imediatamente poria no ar a 'notícia'... é piada.


Toda e qualquer imagem feita em reunião do presidente com os mais altos comandantes militares da Rússia em todos os casos seria checada e rechecada várias e várias vezes. Não. A 'mensagem' foi recurso para relembrar aos EUA que se eles realmente estão decididos a queimar bilhões de dólares na busca inútil por algum tipo de sistema antimísseis, a Rússia pode, facilmente e em menos tempo, desenvolver arma muito mais barata, e os EUA continuarão ameaçados de aniquilação nuclear total.


Porque, e que ninguém se engane quando a isso, o tipo de torpedo de longo alcance sugerido no 'vazamento' seria de construção baratíssima, usando só tecnologias já existentes. Ouso até acrescentar que, em vez de disparar esse tipo de arma para o litoral dos EUA, o sistema poderia ser projetado para disparar um míssil secundário (balístico ou cruzador) que, a partir do litoral, voaria rumo a qualquer alvo no interior do território. Mais uma vez: todas essas tecnologias já existem nas forças militares russas e têm sido até usadas, em escala menor. Vejam com seus próprios olhos [vídeo].


De volta agora ao mundo real: não acredito, nem por um segundo, que algum sistema antimísseis seja algum dia instalado na Europa para proteger OTAN, UE ou EUA contra ataque russo de retaliação, no caso de o Império decidir atacar a Rússia. O que os leste-europeus estão fazendo é pintar um alvo na própria testa, porque serão eles os primeiros a serem destruídos, em caso de crise. Como? Primeiro, por Forças Especiais; depois, por mísseis Iskander – caso tudo o mais fracasse.


Mas no cenário mais provável componentes chaves do sistema antimísseis sofrerão, repentinamente, "falhas inexplicáveis", que tornarão inutilizável todo o sistema. Os russos sabem que é assim, e os norte-americanos também sabem. Mas, para garantir que todos captaram a mensagem, os russos resolveram agora mostrar que nenhuma versão funcional e sobrevivível de sistema norte-americano antimísseis jamais protegerá alguém contra retaliação, se os russos forem atacados.


A parte triste é que os analistas norte-americanos, todos eles, compreendem perfeitamente tudo que aqui escrevi; mas não têm voz naquele Pentágono fantasticamente corrompido. O verdadeiro objetivo do programa militar dos EUA não é proteger alguém contra alguma inexistente ameaça russa, mas desviar bilhões de dólares para empresas norte-americanas e seus acionistas. E se no processo os EUA desestabilizam todo o planeta e ameaçam os russos... "prô diabo com os russos! Nós somos a nação indispensável! O resto do planeta que se foda!" Certo? 

Errado.

O que aconteceu hoje foi um modo gentil de mostrar que os russos sabem onde pisam e do que estão falando.


[assina]
 The Saker      Resultado de imagem para The Saker