sábado, 31 de outubro de 2015

A Alemanha se esforça para escapar do conflito na Síria             

 Resultado de imagem para Thierry Meyssan
Thierry Meyssan          

Publicado originalmente no site Rede Voltaire, tradução por Alva, com pequenas adaptações ao português/BR                                 


A Alemanha tenta deixar o papel que lhe atribuíram durante o conflito sírio. O ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, procura organizar uma reunião de cúpula entre grandes potências para negociar a paz. Mas este projecto dificilmente se concretizará, quer porque a Alemanha tem uma pesada responsabilidade na guerra, como porque a França persiste em querer destruir a República Árabe Síria.

JPEG - 33.2 kb

Angela Merkel tenta mudar de política no conflito sírio.

Assim que os Estados Unidos partiram para o ataque à Síria, em 2003, eles solicitaram a ação de Alemanha e Israel, antes de confiar a operação ao Reino Unido e à França. Naquela altura, os serviços secretos alemães participaram ao lado da Mossad no assassinato de Rafik Hariri, providenciando para tal uma arma que eles eram os únicos a possuir [1]. A ideia era provocar uma reação popular anti-síria, depois fazer desembarcar os “Marines” (fuzileiros navais -ndT) para expulsar o «ocupante», de acordo com o plano do Comité Americano para um Líbano Livre e do Fórum do Oriente Médio, de Daniel Pipes, exposto em acabar com a ocupação síria do Líbano: o papel dos Estados Unidos (Ending Syria’s Occupation of Lebanon : The U.S. Role) [2]. No entanto a operação falhou porque a Síria, sublinhando que estava militarmente presente no Líbano a pedido da comunidade internacional (Acordos de Taef [3]), evacuou as tropas do país assim que a opinião popular o exigiu nas ruas.

A Alemanha jogou ainda um papel decisivo, junto com Israel, quando o embaixador dos EUA, Jeffrey Feltman, organizou a Comissão Internacional de Inquérito encarregada por Ban Ki-moon de descobrir a verdade. Berlim indicou o antigo promotor Detlev Mehlis, que já havia prestado inacreditáveis serviços à CIA atribuindo um assassinato da Mossad, em Berlim, a Muammar al-Gaddafi, e o antigo comissário de polícia Gerhard Lehmann – e agente do BND--- o qual, aliás, posteriormente foi apanhado envolvido nos crimes cometidos pela CIA nas prisões secretas [4]. Mas, mais uma vez a operação falhou já que, depois de ter acusado os presidentes Emile Lahoud e Bashar el-Assad de terem comandado o assassínio de Rafik Hariri, a Comissão Mehlis afundou-se no escândalo das falsas testemunhas [5].

A Alemanha envolveu-se também na guerra atual, desta vez ao lado do Reino Unido e da França, ao confiar a presidência da reunião do «Grupo de Trabalho sobre a recuperação econômica e o desenvolvimento» dos «Amigos da Síria» a um diplomata de alto nível, Clemens von Goetze. Em junho de 2012, ele dividiu, numa reunião no Abu Dhabi, as riquezas da Síria entre os Estados que concordassem sabotar a Conferência de Genebra. Antes mesmo de terem derrubado a República Árabe da Síria os aliados repartiram entre si as concessões de exploração do seu gás. O Ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, criou um secretariado permanente, dotado de um orçamento de 600.000 euros, para gerir a pilhagem dos hidrocarbonetos que ele confiou a Gunnar Wälzholz, o qual já tinha atuado de forma idêntica contra o Afeganistão [6].

JPEG - 39.3 kbEm janeiro de 2015, uma marcha pela tolerância juntava em Berlim responsáveis políticos alemães e líderes muçulmanos como reação ao atentado contra o "Charlie Hebdo" em Paris. Merkel desfilou de braços enlaçados com Aiman Mazyek, secretário-geral do Conselho central dos muçulmanos. 


Muito embora pretenda ter rompido com os Irmãos Muçulmanos, e mantenha um discurso de abertura, o Sr. Mazyek protege no seio da sua organização, a Milli Gorus (a organização supremacista de Recep Tayyip Erdoğan), e os Irmãos Muçulmanos (a matriz das organizações jihadistas, presidida por Mahmoud Ezzat, antigo braço direito de Sayyed Qutob).

Quando a França sabotou a Conferência de Genebra, a Alemanha, uma vez mais, ajudou a concretizar o plano –-concebido já em 2007 por John Negroponte, na altura diretor da Inteligência Nacional dos E.U.--- de guerra de tipo nicaraguense. Tratava-se de multiplicar os grupos terroristas para «sangrar» o país. Ela colocou à disposição a coordenação internacional da Irmandade Muçulmana, sempre presente no seu território, em Aix-la-Chapelle (Aachen -ndT), desde a Guerra Fria. É, atualmente, a partir de lá que a retirada da Ahrar al-Sham, da al-Qaeda, do Daesh e de outros é conduzida.

Ora, hoje em dia, o governo Merkel constata a eficácia dos bombardeios russos, as hesitações norte-americanas, e a alteração do equilíbrio estratégico internacional. Procura, portanto, retirar-se deste combate perdido e fazer a paz com a Síria. Esta reviravolta corresponderia, obviamente, a uma aproximação muito aguardada –-e tão temida por Washington--- entre Berlim e Moscou.

Esta evolução pode ser apresentada à opinião pública aproveitando a crise dos migrantes. Preparada com um ano de antecedência, a pedido do “Patrão” da indústria pesada, Ulrich Grillo, e executada pelo Presidente Recep Tayyip Erdoğan, pelo Alto-comissário para os Refugiados, Antônio Guterres, e pelo especulador George Soros, centenas de milhares de pessoas atravessaram os Balcãs para ir trabalhar por tostões na Alemanha [7]. Contudo, a operação foi interrompida com o início da intervenção militar russa, já que os cidadãos Alemães temem que os jihadistas, fugindo dos bombardeios, se misturem com migrantes e refugiados. Desde logo, a população alemã levanta-se contra os estrangeiros porque o Patronato aproveitou a oportunidade para abolir o salário mínimo em vários Estados federais. De repente, a «crise dos refugiados» fornece um possível álibi para uma mudança de política face à Síria.

Seja como for, a reconciliação entre a Alemanha e a Síria vai ser difícil de negociar. O ministro dos Negócios Estrangeiros e antigo chefe da Intel, Frank-Walter Steinmeier, espera poder organizar uma reunião de Tipo 5+1 (como o formato de Viena para o Irã) para resolver o conflito sírio. Mas a Rússia o estimula para ser mais ambicioso e a reunir em torno da mesa o Presidente Putin, a Chanceler Merkel, o Presidente Hollande e o Presidente el-Assad (o formato Normandia, tal como para a Ucrânia).



_____________________________
[1] « Révélations sur l’assassinat de Rafiq Hariri » («Revelações sobre o assassinato de Rafik Hariri»- ndT), par Thierry Meyssan, Оdnako (Russie),Réseau Voltaire, 29 novembre 2010.
[2] « Les plans de l’US Committee for a Free Lebanon » («Os planos do Comité US para um Líbano Livre»- ndT), par Thierry Meyssan, Réseau Voltaire, 8 mars 2005.
[3] « Accord de Taëf (23 octobre 1989) » («O Acordo de Taef (23 de outubro de 1989)»- ndT), Réseau Voltaire, 23 octobre 1989.
[4] « Attentat contre Rafic Hariri : Une enquête biaisée ? » («Atentado contra Rafik Hariri: Uma investigação manipulada?»- ndT), entrevista de Jürgen Cain Külbel com Silvia Cattori, Traduction Eva Hirschmugl , JPH,Réseau Voltaire, 15 septembre 2006.
[5] « La commission Mehlis discréditée » («A Comissão Mehlis desacreditada»- ndT), par Talaat Ramih, Réseau Voltaire, 9 décembre 2005.
[6] „Die "Freunde von Syrien" teilen sich die syrische Wirtschaft bevor sie sie erobert haben“ («Os “Amigos da Síria” dividem a economia síria antes da a ter conquistado»- ndT), von German Foreign Policy, Voltaire Netzwerk, 14. Juni 2012.
[7] “A falsa «crise dos refugiados»”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 7 de Setembro de 2015.