quinta-feira, 29 de maio de 2014

O Saker, sobre a fala de Nasrallah, dia 25/5


A Vila Vudu MUITO se orgulha de termos sido os primeiros tradutores de discursos do secretário-geral do Hizbollah ao português do Brasil – tudo distribuído totalmente de grátis, pela rede.

É impressionante, porque... porque há muito, muito tempo já estava totalmente na cara, prô pessoal aqui (duas cozinheiras, um marido desempregado, o dono do botequim e a merendeira da ôtra-esquina), que essas falas de Sua Eminência Nassan Nasrallah são MUITO, MUITO, MUITO importantes, e sempre foram.

Por que NENHUM JORNAL, JORNALISTA, ANALISTA e/ou ‘especialista’ metido a sebo, no Brasil, jamais traduz essas falas absolutamente impressionantes de Nasrallah?! Por quê?!

Deve haver coisa mais antiga, mas, se alguém duvidar, já há coisas traduzidas em 2011, em 
http://redecastorphoto.blogspot.com.br/2011/01/sayyed-nasrallah-fala-tv-al-manar.html É nóis! Vai Timão! Vai ter Copa, claro. “Padrão FIFA” Aki, é Padrão Hizbollah. Ninguém tasca.
_________________________

Introdução do Saker à fala de Nasrallah, dia 25/5/2014:

Os recém-chegados a esse blog talvez não saibam, mas, no passado, sempre postei os discursos traduzidos do secretário-geral do Hezbollah Hassan Nasrallah, por duas razões: primeira, porque tenho infinito respeito pelo homem, pessoalmente, e pelo movimento que ele comanda. Mas, também, porque entendo que ser exposto ao pensamento e à fala de Nasrallah é absolutamente necessário, obrigatório, para quem queira compreender o Oriente Médio.

Observo também que, diferente de praticamente todos os políticos que estão ou estiveram no poder no Oriente Médio ou no mundo, Hassan Nasrallah é conhecido por não mentir, não fingir e dizer sempre a verdade. Até em Israel todos sabem que, se Nasrallah disse, o que ele disse pode ser tomado como expressão da verdade. No máximo, acontece de Nasrallah não falar de determinado assunto; mas mentir, ele não mente. Não tenho, com certeza, notícia alguma, uma, que seja, de circunstância em que Nasrallah tenha mentido em seus discursos públicos.

Mas hoje, no contexto da guerra no Donbass/Novorossiia, entendo que esse discurso de Nasrallah seja excepcionalmente valioso, porque o Hezbollah é, sem sombra de dúvida, o mais sofisticado movimento de resistência que há hoje no planeta, anos-luz a frente de qualquer coisa que se possa pretender pôr no segundo lugar da lista.

A cidade de onde ele falou, no discurso que distribuímos, fica, literalmente, do outro lado da fronteira de Israel, a um passo. E mesmo assim, em 33 dias de ataque massivo, furioso, com todas as melhores unidades, armas e formações do exército israelense, nem assim Israel conseguiu tomar Bint Jbeil, que o Hezbollah defendia e defendeu. Ali, o Hezbollah derrotou o exército israelense. Foi grande, grande vitória. Depois daquela guerra, a cidade passou a ser conhecida como “Nasrallahgrad”.

A nova resistência, resistência ‘júnior’, em Kramatorsk, Slaviansk, Krasnyi Liman, Odessa, Donetsk, Lugansk e no resto da Novorosiia tem de aprender muito do mais poderoso, mais experiente e mais vitorioso movimento de resistência que há no planeta: Slaviansk ou Kramatorsk podem e devem ser novas BinJbeil.

Minha esperança é que todos nós que apoiamos a resistência contra o Império Anglo-Sionista em todo o mundo, aprendamos com o Hezbollah: há o que aprender de sua tolerância exemplar e respeito por outras religiões e grupos étnicos; do respeito inigualável, que não se encontra em nenhum outro movimento de resistência no planeta, pelos direitos humanos (políticas generosas e tolerantes, aplicadas ao derrotado South Lebanon Army, SLA); e por suas impressionantes capacidades de combate.

Em tempos em que ambos, o sionismo e o wahabismo, trabalham de mãos dadas para tomar todo o Oriente Médio, o Hezbollah não apenas protege o povo do Líbano, mas, sim, tem papel crucial na guerra do ocidente contra a Síria.

Não há dúvidas de que o Hezbollah tem muito a oferecer aos que queiram ver e aprender.

[assina] The Saker


Sayyed Hassan Nasrallah, secretário-geral do Hizbullah
Discurso em comemoração ao Dia da Resistência e Libertação

 25/5/2014, Bint Jbeil

[vídeo legendado em Electronic Resistence (ing.), aqui traduzido pelo Coletivo de Tradutores da Vila Vudu, do qual este blogueiro orgulhosamente faz parte.]



“Tudo que se passou ao longo desse último ano confirma a correção e a validade de nossas análises e a correção de nossa posição firme desde o início. Em termos gerais, tenho a dizer aqui, novamente, que estamos com a Síria, apoiamos a Síria e defendemos a Síria.”
______________________________

Encontro abrigo em Alá, contra o mal apedrejado. Em nome de Alá, o Compassivo, o Mais Generoso. Que a paz esteja com a Pérola dos Profetas, nosso Mestre e Profeta Abi Al Qassem Mohammad e sua família casta e pura e seus companheiros escolhidos e com todos os mensageiros e profetas.

Que a paz esteja com vocês, e as graças e bênçãos de Alá.

Felicitamos todos vocês nesse grande dia nacional, e agradecemos por terem vindo em tão grande número. Bem-vindos sejam nessa terra abençoada – a terra da Resistência, da Libertação e da Vitória.

Antes de minha fala, gostaria de destacar que essa grande ocasião jihadi coincide com outros grandes aniversários no calendário da Hégira, e que os muçulmanos comemoram, como o aniversário da “Jornada Noturna e Ascenção aos Sete Paraísos” do Profeta. Também nesse dia – Rajab 25º – aconteceu o martírio do torturado Imã Mussa bin Jaafar Al Kathem (que a paz esteja com ele) nos cárceres de Bagdá. Nessas datas, temos de oferecer nossas felicitações e nosso consolo ao Profeta de Alá (que a paz esteja com ele e toda a sua casa) e a todos os muçulmanos que creem em sua “Jornada Noturna” e unanimemente manifestam sincera afeição aos seus parentes e à casa deles (que a paz esteja com eles).

******************************

Irmãos e irmãs! No tempo que me cabe, tratarei de alguns tópicos. Na verdade, nem terei tempo para cuidar de todos os assuntos dos quais me compete cuidar num dia como esse. Por um lado, não há tempo suficiente, e a natureza da ocasião não admite certos tipos de discussão. Por outro lado, há tópicos muito importantes e críticos, dos quais, contudo, deliberadamente, não tratarei hoje. Não significa que os ignore, mas que, sim, considero vários interesses.

Voltando à ocasião de 25/5/2000, como todos os anos, nos encontramos aqui para afirmar, ano após anos e geração após geração, os seguintes conceitos, como temos de fazer:

Primeiro, afirmamos os profundos e históricos significados e dimensões dessa vitória. Nós, como tantos irmãos bem-amados, muito falamos, cuidadosa e atentamente, sobre isso. Escreveram-se estudos e pesquisas também, sobre isso. Dentre essas conotações, estava o colapso do projeto de “Grande Israel” [orig. “Major Israel”], e as repercussões dessa vitória ainda são válidas dos dois lados do front: aqui no Líbano, na Palestina, em nossa nação, e também sobre o nosso inimigo. Não fosse essa vitória, as vitórias e realizações que vieram depois não teriam acontecido. Pode-se dizer que a vitória do dia 25/5/2000 fundou a era de vitórias que veio depois – foi quando acabaram-se as derrotas, que se foram para sempre.

Segundo: Afirmamos que essa vitória e essa realização é realização Islâmica-árabe-nacional-libanesa que não pode ser atribuída só a um partido, facção, região ou país, e pertence a toda a nação que está engajada numa guerra contra o esquema sionista e o esquema para impor a hegemonia dos EUA em nossos santuários, região e capacidades. Sempre lutamos para dar a esse dia essa dimensão ampla, de modo que seja dia celebrado na nossa terra e em toda a nação.

Terceiro: Saudamos e louvamos os grandes sacrifícios oferecidos por nosso povo, em almas, crianças, dinheiro, riquezas e segurança. Saudamos e louvamos também os sacrifícios oferecidos pelos movimentos da Resistência em todos seus grupos, o Exército Nacional, as forças de segurança, o Exército Árabe Sírio em território libanês, e os grupos palestinos. Destacamos que essa realização foi resultado de imensos sacrifícios e que não no saiu de graça.

Quarto: Com comemorar anualmente essa ocasião, queremos promover a cultura da esperança no futuro e da confiança na vitória, e a capacidade para confrontar os exércitos de ocupação mais violentos e opressores e os desafios mais duros. Essa cultura de ter confiança em Alá e em nosso povo e em nossos seres humanos – homens, mulheres, velhos, jovens, as famílias – é que nos levou para o que chamamos “a era das vitórias” que começou em 2000 e continuou na derrota de ‘Israel’  em Gaza e a retirada de ‘Israel’ de Gaza em setembro de 2005; e à derrota de ‘Israel’ na Guerra de Julho de 2006, e à resistência de Gaza em 2008-2009 (a guerra dos 22 dias), ao confronto de oito dias em 2012, ao “Fim da Operação Silêncio” em Gaza há vários meses e, antes disso, à derrota dos soldados dos mais poderosos exércitos do mundo, quando derrotamos o exército dos EUA que ocupava o Iraque em dezembro de 2011.

Essa é a era das vitórias. É o resultado dessa cultura e dessa convicção.

Portanto, a conclusão mais importante que sempre tiramos, desde 25/5/2000 e reafirmamos aqui hoje é que podemos vencer e vencemos mais de uma batalha, e não importa o quanto o inimigo seja capaz ou tirânico – e mesmo que tenha as armas mais poderosas e o mais poderoso exército – ele sempre pode ser derrotado pela nossa vontade e pela nossa coragem e pela nossa inteligência, e já foi derrotado em bem mais que uma batalha.

Assim, é muito importante preservar essa fé, essa confiança em Alá, a determinação e a vontade. E nunca parar de trabalhar, porque só a fé não basta.

Nessa ocasião, é obrigatório considerar o conteúdo moral e civilizacional dessa resistência e da vitória dessa resistência em 2000, prestando atenção aos eventos que acontecem em nossa região.

Infelizmente, continua-se a ver esforços para consolidar uma específica ideia, uma impressão, uma espécie de cena, segundo a qual haveria alguma ligação entre o Islã (os  movimento islâmicos, o grupo islâmico, o contexto islâmico) e mortes arbitrárias, massacres, demolições, destruição, bombardeios, genocídios, ataques contra locais de culto, degola, violação de sepulturas, ataques a faca, e condenações à morte como pena para punir os que, apenas, discordam de uma ou outra posição política, não por razões religiosas ou de doutrina. Essa ‘conexão’ forçada, essa ligação que não há, é mais um crime contra o Islã e traição cometida pelos que perpetram esse crime.

Não temos tempo aqui, nem quero, agora, entrar num debate científico, intelectual ou jurisprudencial sobre essa questão, por mais que, sim, a questão mereça ser discutida. Dia 25 de maio, quero dizer, apenas, que estamos ante experiência diferente, manifestação diferente de outro tipo de experiência: trata-se da vitória da Resistência no Sul do Líbano. Em 2000, como se vê acontecer hoje, milhares de combatentes entraram na larga linha de fronteira ocupada e naquelas cidades e vilarejos. Eram os resistentes de nosso povo libanês e crentes das mais diferentes religiões, seitas, confissões, facções, e alguns deles estavam envolvidos com o inimigo que começava a fracassar no sul, no oeste do Bekaa e no Líbano ao longo dos muitos anos de ocupação.

Todos ainda lembram que almas, dignidades, riquezas, pessoas, igrejas, mesquitas, locais de culto, árvores, fábricas, edifícios, seres humanos, tudo foi preservado. Ninguém foi ferido ou maltratado e ninguém será jamais ferido ou maltratado. Essa nossa resistência foi criada pelo Islã. É uma resistência islâmica. Sim, essa resistência é libanesa, nacional e árabe; mas, sim, essa resistência é islâmica. O que foi apresentado e oferecido em 2000 foi verdadeira representação do Islã, dos valores do Islã, da moral do Islã, dos ensinamentos do Islã, a tolerância do Islã e do grande Profeta do Islã Mohammad bin Abdullah (Que a paz esteja sobre ele e sua casa).

Quando um muçulmano que diz pertencer ao Islã faz um bem, está prestando bom serviço a ele mesmo e a sua religião. Mas quando faz algum mal, fere ele mesmo, como fere sua religião, que não tolera o mal.

Irmãos e irmãs!

Isso quanto à ocasião. Quanto à atual situação com o inimigo ‘israelense’, podemos afirmar os seguintes pontos:

Primeiro: Destacamos a política de conter o inimigo. Significa que o Líbano tem de ter o poder de deter o inimigo, porque esse poder ou essa política ou essa estratégia – chamem como preferirem – é a única política que protege o Líbano, seus territórios, o povo, as instituições, o estado, recursos, capacidades, água, petróleo, gás, entidade, existência, dignidade, futuro e soberania. Sob o desequilíbrio de poderes com o inimigo, só há, mesmo, essa estratégia, dado que de fato nenhuma outra estratégia séria jamais foi sugerida que possa alcançar esse objetivo, essa meta.

No Dia da Resistência e da Libertação, afirmamos nosso compromisso com a equação de ouro: exército-povo-resistência, apareça mencionada na declaração ministerial, ou não. De fato, esse conteúdo é preservado na declaração ministerial. A língua árabe salvou a declaração ministerial. Esse conteúdo – exército-povo-resistência – lá está, na declaração ministerial. Embora haja quem se detenha  em palavras e termos. Mas o que importa é o conteúdo. O que importa é que o Líbano é senhor do próprio poder para proteger o país. 
É claro que apoiamos o desenvolvimento de capacidades humanas e materiais do Exército Libanês, e é claro que não temos problema algum com isso, ao contrário de alguns que tentam espalhar boatos. Por isso quer reafirmar aqui e hoje que a Resistência conservará todos os seus poderes, apesar dos desenvolvimentos e eventos em curso na região, o principal dos quais é a Síria. O inimigo sabe disso e leva isso em consideração. Por outro lado, a Resistência trabalha dia e noite para ampliar sua capacidade para conter o inimigo, e é isso que preocupa o inimigo, que não fala de outra coisa!   
Está dito, portanto, que não apenas mantemos nossa capacidade para conter o inimigo. Não. Nós também trabalhamos para ampliar e desenvolver essa capacidade para deter-conter o inimigo. Esse é um dos aspectos que mantém em sobressalto o inimigo ‘Israel’, que não tira os olhos da Síria, do Irã e de outros dos nossos amigos, para ver o que possam oferecer ou tenham oferecido à nossa Resistência.

No que tenha a ver com o poder para conter/deter o inimigo, não há ponto ao qual se chegue e declare-se que ‘basta’. Estamos falando de ‘Israel’ e do Exército de ‘Israel’ que é dos mais poderosos do mundo. Consequentemente, é nossa obrigação desenvolver o poder para conter/deter o inimigo, à parte da discussão marginal sobre se a Resistência deve ‘entregar’ as armas e o futuro das armas da Resistência. E só podemos ir até esse ponto dessa discussão. Deixemos essa discussão de lado.

Seja como for, baseados em nossa convicção sobre a firmeza e a correção dessa equação, sobretudo no que tenha a ver com a Resistência, estamos trabalhando nessa direção.

Segundo: Afirmamos a importância de mostrar interesse em que outros suspendam discussões sobre o Líbano na luta contra ‘Israel’ – incluindo as Fazendas Shebaa, as Colinas Kfar Shuba, a seção libanesa de Al Ghajar, os homens da Resistência ou os civis mártires, desaparecidos ou presos e cujos se podem discutir, e as violações ‘israelenses’ por ar, terra e mar. Com isso não quero dizer o que está acontecendo agora, como comentarei adiante. Esses são os pontos que permanecem na luta direta entre libaneses e ‘israelenses’.

De fato, os refugiados palestinos e o retorno de nossos irmãos palestinos às terras e propriedades deles estão relacionados à causa geral da luta e não só à parte libanesa. Temos de nos preocupar e pensar nisso. Reconheçamos que nada de sério está sendo feito quanto a essa questão. Nada de sério. O estado nem fala sobre esse fato. Na declaração ministerial as pessoas relembram as Fazendas Shebaa e as Colinas Kfar Shouba...

Nem nós – os  movimentos da Resistência, as facções da Resistência e todo o povo que acredita na Resistência – abordamos essa causa com a devida seriedade, fosse como fosse. Temos de fazer nossa autocrítica. Essa causa não pode ser negligenciada ou removida da lista de responsabilidades como resultado dos eventos e desenvolvimentos que aconteceram no país em 2005-2006 nem dos eventos que aconteceram na região e na Síria.

Terceiro: A situação no flanco internacional, com a Palestina ocupada. Vocês devem ter observado que a frequência das violações ‘israelenses’ aumentou nos últimos meses. Significa que há gente na fronteira e perto do arame farpado que ouvem gritos e desaforos e são ameaçados. São agricultores que, se são vistos plantando a terra deles perto do arame farpado, são agredidos a tiros. Nas Fazendas Shebaa a história repete-se e repete-se sem parar. Pastores e agricultores libaneses têm sido sequestrados e atacados. Em outros lugares, são agredidos a tiros. É preciso parar antes de alcançar aqueles pontos. Em princípio, todas essas violações são bem conhecidas. Falo das violações na região de fronteira. Não falo das violações militares por ar, por mar e por terra. Não. Em qualquer ponto em que os ‘israelenses’ entrem ou onde saibamos de antemão que entrarão, temos nos dedicado a dificultar os movimentos deles. Estamos trabalhando para isso. Mas estou falando da seção que tem a ver com o que está acontecendo junto ao arame farpado, na fronteira.

O normal seria que o Exército Libanês e a UNIFIL intervenham e acertem a questão. Desde que as coisas não alcance ponto mais sério, é normal que a coisa seja tratada pelo estado e pela UNIFIL. Mas se essas coisas continuarem, teremos de reconsiderar nossa posição.

Por outro lado, digo às pessoas – principalmente aos que moram nas vilas de fronteira, mais próximas da fronteira – que o que está acontecendo do outro lado, por causa do inimigo, é expressão do quanto estão perturbados. Veem vocês na terra de vocês, nos campos, nas casas de vocês, e em casa, vivendo felizes, com dignidade  e orgulhosos do que têm. Isso é intolerável para os ‘israelenses’ cuja entidade e esquema são baseados na necessidade de humilhar, insultar e agredir o próximo. Os ‘israelenses’ simplesmente não conseguem tolerar ver nosso povo morando na própria terra, em casa decente, plantando ao longo da fronteira, do litoral até o topo das montanhas, e sentindo-se seguros e se movimentando livremente, dia e noite. Essa cena é intolerável, para os ‘israelenses’, no plano psicológico. É parte da derrota que lhes foi infligida dia 25/5/2000. Mas, do outro lado, queremos procurar razões para extenuá-los. É o medo do inimigo.

No passado, desse lado da fronteira, nós é que tínhamos medo. Nosso povo, nossos agricultores, nossos fazendeiros e todos que viviam naquelas vilas, tínhamos medo. Hoje, quem tem medo é quem está usurpando os territórios palestinos do outro lado da fronteira. Eles é quem têm medo dos agricultores, dos fazendeiros, dos arados, das espadas, das árvores, dos galhos de árvores, o som dos galhos soprados pelo vento, o murmúrio da água. Até o murmúrio da água assusta aqueles soldados israelenses na fronteira.

Hoje, estamos ante um exército em posição. Eles sentem mais medo, do que assustam alguém. A verdade é essa. Não estou exagerando. E não são só os soldados ‘israelenses’ de fronteira que estão com medo. Qualquer um vê como eles sentam nos acampamentos super blindados, fortificados com ferro. Até quando têm de examinar o arame farpado, usam robôs e veículos comandados por controle remoto. A tal ponto estão assustados, apavorados de medo. E o medo não acaba na fronteira. Também no front interno, os líderes políticos do inimigo ‘israelense’, generais militares, e toda a comunidade usurpadora dos colonos têm, todos, muito medo da Resistência.

Todos eles têm medo, porque sabem da prontidão da Resistência.

Cada vez que alguém usa uma pá, eles se perguntam o que aquele homem estará fazendo com aquela pá. Se uma casa é construída na fronteira, se perguntam o que estará acontecendo por ali.

Assim sendo, tudo tem a ver com o medo. Implica que o inimigo olha para o outro lado como lado sério, preparado. Por causa disso, agem como se cada som, cada passo, cada movimento, cada atividade, cada construção, cada semente plantada, cada fruto colhido, fosse ato de agressão contra eles. É porque estão com medo.       

Ora, nesse dia, hoje, lhes digo: como dia 25/5/2000, vocês acorrem à fronteira, andam próximos do arame farpado, fazem casamentos e erguem cartazes. Continuem a fazer exatamente isso. Construam, ergam paredes e casas. Plantem e andem por ali, e absolutamente não temam aquele inimigo. Aquele medo passado já virou história que crianças pequenas contam, para rir. Aquele inimigo não se atreverá, e eles sabem que não se atreverão. Não queremos provocar confrontos. Se as coisas continuarem a ser negociadas e acertadas, ok.

Mas – e quero ser bem claro quanto a isso –, se chegarem a um ponto no qual seja necessário que a Resistência intervenha, não ficaremos calados ante nenhum insulto, nenhuma ofensa, nenhuma agressão a qualquer filho de nosso povo leal e orgulhoso, em áreas de fronteiras internacionais. Todas as questões estão sendo tratadas na proporção necessária. A Resistência tem coragem, tem capacidades e meios, e também tem sabedoria. A Resistência considera precisamente o que pode fazer para impedir que se consolide o status quo que o inimigo deseja ver consolidado na fronteira. Bem... esse é tópico importante, do qual queria lhes falar hoje: o status quo com os ‘israelenses’.

O outro tópico para hoje, é a Síria.

Como no dia de hoje, ano passado, quero dizer, dia 25/5/2013, da cidade de Mashghara – cidade dos mártires e cidade do líder mártir Abu Hassan Bjiji e seus companheiros, falei também dos eventos na Síria. Apresentei o pensamento do Hizbullah sobre o que acontecia lá, o esquema, os riscos, as ameaças, as chances e os desafios resultantes dessa situação na Síria, Líbano, Palestina, Jordânia e em toda a região, bem como em toda a nação, especialmente sobre a Palestina e sua causa, também sobre o Líbano, nossa Resistência e nosso povo. Não quero repetir o que disse no ano passado.

Ao longo de todo esse ano que transcorreu, meus irmãos e eu, com nossos aliados e amigos e todos os que partilham nossa visão e nosso modo de ver, elaboramos sobre esse tema, várias vezes, nas várias redes de comunicação, por canais de televisão e emissoras de rádio... Naquele dia, eu disse “nós assumiremos a responsabilidade. Não ficaremos sentados, só assistindo.” Apresentei nossa posição, que já estava decidida.

Pelas nossas avaliações, tudo que se passou ao longo desse último ano confirma a correção e a validade de nossas análises e a correção de nossa posição firme desde o início. Em termos gerais, tenho a dizer aqui, novamente, que estamos com a Síria, apoiamos a Síria e defendemos a Síria.

Quero apenas, em algumas linhas, lembrar-lhes que a Síria foi e é o coração do arabismo. A Síria opôs-se à expansão ‘israelense’. Protegeu o oriente árabe, inclusive os países do Golfo, contra a ação de ‘Israel”, que queria implantar uma “Grande Israel” do Nilo ao Eufrates. As aspirações de ‘Israel’, de fato, não têm limites. Só a Síria permaneceu ao lado do Egito, e é e foi a única fortaleza de firmeza. Cantou, do arabismo, “Eis o Cairo”. A Síria, e só ela, ostenta a honra de não ter comunicação com o inimigo, nem acordo com o inimigo, nem qualquer tipo de laços com ‘Israel’. Protegeu, manteve, garantiu suprimentos e apoio à Resistência libanesa e palestina, e continua a fazê-lo. E pagou o preço por ter feito o que fez e ainda está tendo de lutar por isso. Por todas essas razões, nós defendemos a Síria.

Por que não teríamos o direito de defender nossos pontos de força, nossa retaguarda e nossa fonte de orgulho por aquele país e farol árabe, contra a nacionalização e os ataques de ‘Israel’?

Dessa vez, vemos que sionistas estrangeiros estão sendo trazidos de várias partes do mundo para a entidade que usurpa a Palestina, para defender uma superstição que eles inventaram na cabeça deles mesmos, enlouquecida de tantos crimes, de tantas matanças e de tanto racismo. Acreditamos que nossa posição e as razões que dão base à nossa posição são muito claras.

Hoje, e um ano depois daquele discurso, o projeto é ainda mais claro. Sempre dissemos que há um esquema na região para dividir a região em diferentes campos raciais, sectários e de facções.

Mas – irmãos e irmãs – quando vemos o que está acontecendo agora na Síria e em mais de um país árabe, vemos que o esquema está fazendo rachar a região ainda mais e não só em campos sectários, mas também em emirados, distritos e um estado para cada bando armado. Cada bando armado quer ter o próprio estado: são necessários cinco, ou seis ou sete estados.

No passado, costumavam dizer que iam dividir a Síria em três ou quatro estados, e o Iraque, em três partes. Queriam dividir a Líbia, o Egito e a Tunísia. Parece que já é coisa do passado. Agora, falam de dividir nossos países árabes e islâmicos segundo o número de bandos armados, não por raças, seitas ou facções, como rezava o plano anterior. Até no caso de os líderes da própria organização não concordarem, podem-se formar dois estados, como o estado de Daesh e o estado de Nosra. Essas são as piores imagens do caos, que geram mais caos.

É preciso confrontar esse esquema.          

Hoje, quando confrontamos esse esquema e as ferramentas desse esquema, quero que todos recordem o movimento sionista – os que inventaram ‘Israel’, essa entidade de usurpação. Quem disse que havia um grupo que desejava vir para a Palestina? Eram, então, um grupo que queria ter um estado em qualquer canto do mundo. Cogitaram de fazê-lo na Argentina. Também em Uganda. Acho que também cogitaram de vir para o Iêmen. Foram os ingleses que trouxeram o movimento sionista para a Palestina. Foi o colonialismo internacional, a ânsia pela hegemonia mundial... chamem como quiserem. Trouxeram-no para a Palestina, para ser um acampamento avançado, militar, de segurança, implantado no coração de nossa região para destruí-la, para fazer gorar todas as chances de desenvolvimento humano e econômico, além de todas as chances de unidade e de fazer crescer a região árabe e islâmica.

Queriam que todos continuássemos preocupados com nossas guerras, a saltar de uma guerra a outra, de um front ao front seguinte, até nos exaurirmos. Queriam que recorrêssemos a quem fabricou nosso inimigo em busca de poder e proteção contra aquele inimigo. Ora! Foram eles quem trouxeram o projeto sionista para a Palestina. Foram eles que trouxeram sionistas de todo o mundo, para a Palestina. Esse é um pecado histórico. Hoje, esse pecado é cometido outra vez. Mas como? De fato, eles procuraram e obtiveram apoio árabe e assinaturas de líderes árabes em troca da segurança dos tronos deles. Isso aconteceu a 60, 70 anos passados.

Hoje, está acontecendo novamente. Os EUA e o ocidente estão hoje com ele e são os que trazem para cá todos os terroristas e grupos Takfiri arrebanhados por todo o mundo. Oferecem dinheiro, facilidades, vistos, fundos, armas, cobertura política e jornalística, e um projeto internacional... Estão trazendo todos esses para a Síria? Para quê? Para destruir a Síria e destruir o Eixo da Resistência que, agora, ameaça afinal a própria existência do esquema sionista na região. Esse é o maior novo pecado moderno.

Ou será talvez coincidência? Foram trazidos, para a Síria, do mundo inteiro. Coisa assim jamais aconteceu em qualquer outro lugar. Nem no Afeganistão. No Afeganistão tampouco aconteceu assim, nessa extensão, nesse nível, nessa magnitude. São trazidos de todos os cantos do mundo e recebem vantagens. Quem está fazendo isso são governos. O processo é comandado por corpos da inteligência. São comprados longe da Síria, para virem para a Síria e lutar nessa dura, terrível, feroz batalha.

Seja como for, essa compreensão já se expande na Síria, no mundo árabe, no mundo islâmico, em todo o mundo. Muitas das perguntas que não se ouviram no começo, estão agora sendo postas, questões levantadas intensivamente com objetivos amplos.

Bem. Baseados nessa ideia e nessa compreensão, dissemos que assumimos essa responsabilidade e, realmente, sim, assumimos essa responsabilidade. Assim chegamos até onde chegamos. Como vocês sabem, nós não discutimos detalhes dessa questão, pelos jornais e mídia. Mas fomos aonde fomos à luz do dia. Dissemos: o tópico é esse; as razões são essas; nosso alvo é esse.             

Hoje, o que alcançamos, na situação na Síria? A que nos levou aquele esquema?

Não há dúvidas de que o esquema que atacou a Síria e a região, já está hoje em retirada, em grande parte. Sofreu várias derrotas. Não há dúvidas de que vários elementos contribuíram para o que se vê hoje, seja localmente, regionalmente, no nível da Síria, como no plano mundial. Mas o principal elemento permanece em disputa no campo de batalhas. Dentre todas essas mudanças e elementos, o próprio campo de batalha é o principal elemento. É a firmeza da Síria e seu governo, seu exército e seu povo. Consequentemente, aí se vê a importância do elemento extra: os aliados e os amigos, sejam no plano político, na imprensa, na segurança, a posição dos militares e do povo. Mas se a Síria – e seu governo, seu exército e seu povo – não se tivessem mantido firmes contra essa guerra global, nenhum dos elementos extra teria sido nem essencial nem decisivo.

Um dos elementos importantes a considerar é que, afinal, veio à luz a verdade sobre os grupos que combatem entre eles na Síria, e a verdade sobre o que pensam, como atuam e as lutas entre eles mesmos. Com isso, aconteceu que, afinal, mudou a opinião pública inclusive na Síria, mas também no plano árabe e internacional.

Tornou-se absolutamente claro que os que se reuniram para ameaçar a Síria converteram, eles mesmos, em ameaça para todos, em todo o mundo. Essa é uma das repercussões. Aqueles grupos terroristas estão ameaçando agora os estados que os alimentaram com muito dinheiro, que os reuniram, que os apoiaram e os encorajaram tanto. Converteram-se eles mesmos em ameaça contra todos e contra o próprio mundo que os despachou contra a Síria.

Já disse antes que aqueles terroristas foram mandados para destruir a Síria e o Eixo da Resistência, para se verem livres deles. Pois, agora, parece que o mundo que despachou aqueles terroristas para destruir a Síria estão descobrindo que nem a Síria nem o Eixo da Resistência foram destruídos, não entrou em colapso, que muitos dos que deveriam ter sido mortos continuam vivos e muitos dos que foram mandados para matar estão, hoje, mais interessados em voltar ao campo-base – à Europa, ou onde tenham sido treinados. Assim sendo, o problema intitulado “combatentes que retornam da Síria” é hoje a principal ameaça que pesa contra a segurança da Europa, internacional, mundial. Como esses estados enfrentarão, agora, a nova ameaça?

Um dos mais importantes fatores que temos de expor aqui é o envolvimento de ‘Israel’ nos eventos em curso na Síria.

Antes, quando dizíamos que ‘Israel’ está apoiando os que combatem contra a Síria, muitos respondiam que exagerávamos. Agora, já se veem as coisas acontecer abertamente. Não se trata de “muro gentil” [orig. “kind wall” (???) (NTs)] como se viu aqui. Não é questão de levar um ferido ao hospital. Não. São relações, políticas e encontros políticos. Parece que o desespero da chamada coalizão de oposição chegou a tal ponto que já se reúnem e inimigos também desesperados, como Monafiqi Khalq ou outros grupos de oposição na Europa. Já se comprovou que essas reunião dão em nada. Não! Agora há laços já conhecidos com os ‘israelenses’. Há cooperação, ajuda logística, ajuda militar, nas fronteiras das colinas do Golan. Significa que há alvos no Exército Árabe Sírio que estão sendo atacados por ‘israelenses’, como meio para ajudar a oposição armada e os seus terroristas armados. Hoje, estamos ante um novo projeto, na fronteira das Colinas do Golan. Isso é ameaça real. Digo aqui a todos os sírios: Essa experiência dolorosa, terrível, não causará mais dor a sírios, palestinos e a nós todos, que o desespero e a vergonha que ‘Israel’ conheceu nas fronteiras do Líbano.

Há também o fato de que hoje já se conhece a extensão da ameaça que esses grupos terroristas impõem aos estados vizinhos, particularmente ao Líbano.

Agora, à luz de todos esses elementos que mencionei e não mencionei, pode-se dizer que a Síria permanece firme, que o Eixo da Resistência permanece firme, que o Eixo da Resistência está intacto, e que a Síria está intacta. Já ninguém diz que o esquema inimigo obterá vitória verdadeira ou decisiva. Hoje, a Síria avança e o Eixo da Resistência avança. A Síria está avançando no campo de batalha. Isso é o que vocês veem e sabem que veem. Avança também o processo de reconciliações populares, acompanhando a mudança na opinião pública e o processo pelo qual forças políticas e grupos populares rediscutem suas próprias posições. A Síria está avançando na direção de eleições presidenciais, que nem todas as ameaças, intimidações, zombarias dos chamados ‘amigos da Síria’ conseguiram, impedir, boicotar ou distorcer. Assim o povo sírio caminha na direção das urnas e veremos as imagens. Por isso, agora, tantos se empenham tanto, dedicam-se tanto, a fazer gorar as eleições na Síria, sempre confiantes de que, a ferro e fogo, conseguirão o que desejam.

Todos ouvimos ontem nos noticiários que Daesh – na região de Hasakeh, por exemplo, dentre outras regiões – anunciou que é proibido participar das eleições, mesmo em regiões que, embora não estejam sob controle deles, mas estão ao alcance da artilharia deles. É como sentença de morte contra todos que queiram votar.

Ora, vejam que bela alternativa estão dando ao povo sírio! Eu tenho posição política e quero votar. Pode acontecer de eu votar no presidente Bashar Assad ou em outro candidato... Mas não lá! Porque os ‘amigos da Síria’ decretaram que se eu me aproximar da urna eleitoral, viro alvo e executa-se uma sentença de morte contra mim... Isso, me parece, é novidade! Essa mentalidade de Daesh – onde reina [o grupo fundamentalista] o Estado Islâmico no Iraque e no Levante – decidiu que também no Iraque, quem participar de eleições, seja xiita, sunita, muçulmano, cristão, o que for, é declarado infiel. E foi alvo de tiros e foram atacados por carros-bombas, declarados infiéis, apóstatas e até combatentes contra Alá e Seu Profeta. Não é só que declarem que você é infiel: julgam e condenam você como combatente contra Alá e Seu Profeta. E você é condenado à morte, por desejar votar! Isso, precisamente, é o que se vê agora na Síria.

O que estou dizendo é que a Síria caminha rumo a eleições, e o verdadeiro desafio é conseguir que o povo sírio consiga votar – sobretudo nas regiões que estão sob fogo de grupos armados – e expressar a própria posição e o próprio desejo,  nas urnas. Na verdade, o povo está sendo impedido de votar no estado da Frente al-Nusra, no estado da Al-Qaeda, porque nesses estados é proibido votar. É pior que isso: não é só proibido; votar, aí é visto como manifestação de apostasia, de falta de fé. Eleições são como guerra contra Alá e Seu Profeta.

Ora! Vocês têm a jurisprudência de vocês, e o ponto de vista de vocês... Mas por que e como podem querer impô-los a todos os muçulmanos? Há muitos especialistas e juristas e altas autoridades no campo da doutrina, entre os sunitas e entre os xiitas, que têm opinião diferente da de vocês! São especialistas islâmicos que têm outra visão judicial sobre eleições!

Bem. Hoje, e depois de todos esses desenvolvimentos, posso resumir do seguinte modo o que queria dizer a vocês sobre a Síria:

In 2006, houve um esquema no plano de toda a região; mas a batalha aconteceu no Líbano. Condoleezza Rice chamava a região de “Neo-Oriente-Médio”. OK, mas a batalha aconteceu no Líbano. Nós – a Resistência Libanesa com todos seus grupos e força total, o Exército Libanês e o povo do Líbano – lutamos contra aquele esquema e o fizemos abortar. A Síria estava conosco, ao nosso lado. O Irã estava conosco, ao nosso lado. Muitos do povo honrado em todo o mundo, estavam conosco, ao nosso lado. Esse esquema foi derrubado em 2006. Mas, de fato, não foi o esquema do “Neo-Oriente-Médio” que foi derrotado, mas uma versão daquele esquema. Derrubamos, não o esquema, mas uma versão do esquema.

E, agora, apareceram com uma versão nova do mesmo esquema para a região; e, dessa vez, o campo de batalha é a Síria.

Na Síria hoje, quem está combatendo é o governo sírio, o Exército Árabe Sírio e o povo sírio. E seus aliados e companheiros lutam ao lado deles, com eles. Não exageremos. Têm havido exageros, há quem diga que há mais gente, naquela luta, que o povo, o governo e o exército sírios, e que há ali gente também de outros e outros lados, não se sabe de que lados...

Nada disso é verdade. Na Síria há um povo, um exército, um estado e um governo que lutam pela causa da Síria. E há amigos que oferecem um ou outro tipo de ajuda, numa ou noutra circunstância em que a ajuda seja necessária.

A frente que luta na Síria é firme e resistente. O esquema que foi atentado em nova versão, dessa vez na Síria, já começou a desabar. Dado que já entramos na era das vitórias, digo a vocês que Inshallah aquele esquema será derrotado e derrubado na Síria, e que a Síria e o Eixo da Resistência outra vez conhecerá a vitória.

Essa nação não permitirá que o esquema dos EUA imponha a agenda dele, suas ideias e objetivos, contra nós. Ouçam o que lhes digo. Aqui falamos diretamente uns aos outros. É claro que estou analisando eventos e é claro que confio em Alá, Todo-Poderoso e na Divina Providência, que nos apontam as razões, as vias, os resultados e cada um dos passos e prelúdios que levarão ao resultado que buscamos...

Quem, antes, diria que a Síria resistiria como resistiu e resiste? Quem disse que a Síria chegaria hoje ao ponto onde está? Quem, antes, disse que algum dia veríamos a situação que temos hoje em tantas cidades sírias? Há três, quatro anos, todos os ‘especialistas’ só faziam ‘prever’ que em dois, três meses, a Síria que conhecemos teria entrado em colapso, que deixaria de existir!

Dia virá em que todos os fatos serão revelados e, nesse dia, todos os povos da região, todos os governos da região, todos os estados da região e muitos dos maiores estados do mundo agradecerão à Síria, à liderança síria, ao exército sírio, ao governo da Síria, pela determinação, pela coragem, pela dedicação e pela vitória.

Dia virá em que muitos descobriram que devem à Síria, à liderança síria, ao exército sírio, ao governo da Síria, à sua determinação, coragem, dedicação, e à vitória da Síria, porque muitos perceberão que, nessa guerra, a Síria conseguiu impedir inúmeras, imensas catástrofes; e afastou muitos riscos. A vitória síria conseguiu impedir muitas repercussões em toda a região, mas, sobretudo, na Palestina, repercussões contra a causa palestina e as causas islâmica e cristão na Palestina.

O que estou dizendo a vocês é que dia virá quanto até governos que conspiraram contra a Síria e deram dinheiro e instigaram – e alguns ainda continuam a fazer tudo isso – lamentarão amargamente tudo o que fizeram contra a Síria, e agradecerão à Síria por sua firmeza, pela coragem, pela resistência e pela vitória.

O mesmo se aplica ao Líbano e a todos que criticaram nossa ação na Síria. Vale o mesmo, também, para toda a Resistência. Dia virá em que nos saudarão e nos festejarão. Hoje não há muitos que falem a nosso favor pela imprensa. Mas por baixo da mesa já muitos nos agradecem...

O último item sobre o qual quero falar a vocês é a situação local no Líbano.

A principal questão é a questão presidencial. (...) Quero dizer que temos de lidar com esse estágio sensível e crítico com compostura e sem tensões. (...) Temos de ser calmos e precisos. Temos de preservar esse nível de paz civil e estabilidade interna graças ao qual as pessoas sentam-se e discutem e negociam a questão presidencial e qualquer outra. Estou falando de forças internas, nas das forças regionais. O que importa é empenharmos todo o esforço possível para encurtar o intervalo, para que tenhamos um presidente eleito, o mais rapidamente possível. Que ninguém perca tempo esperando por mudanças regionais ou alterações internacionais...

É absolutamente necessário negociar essa questão com a máxima seriedade.

De fato nem temos agora tempo suficiente para discutir elaboradamente o tópico das eleições. Só lhes digo o seguinte: Ainda há chance verdadeira, interna, libanesa, de elegermos um presidente forte, capaz de preservar a estabilidade e a paz no país, e que tenha real prestígio popular em seu grupo e no plano nacional, e que também consiga pacificar as várias forças e lados políticas e oferecer ao Líbano ajuda real para que ultrapassemos essa fase tão difícil, seja no plano local e regional, seja no plano internacional.

Essa chance ainda existe. Há em andamento negociações sérias, abertas, entre o Bloco Reforma e Mudança e o Movimento Futuro, ou o líder do Movimento Futuro. Estão negociando e mantendo discussão séria já há algum tempo.

Não quero começar aqui uma discussão. Só quero mostrar, em duas, três frases, o que está acontecendo até aqui. A candidatura desafiante está impedindo o surgimento de candidatura séria, respeitável. Até agora, só fizeram ‘expor’ candidatos desafiantes que sabem que não chegarão à presidência. Todos sabem que esses candidatos dos quais se ouve falar não têm chance alguma de chegar à presidência, nem sob regime de [maioria] de dois terços, nem sob regime de metade dos votos mais 1. A ‘candidatura’ da qual se fala visa, exclusivamente, a impedir que se configure um nome de candidato sério, que já está sendo discutido em grupos nacionais.

Como hoje já é 25 de maio, não há problema que eu lhes diga – sob minha responsabilidade e baseado em informação que temos e contatos entre nós e muitos de nossos amigos – que o verdadeiro projeto dos últimos dias, semanas e, mesmo, meses, não foi eleger algum presidente antes de 25 de maio. Quero dizer: o projeto do outro bloco nunca foi realizar verdadeiras eleições, mas prorrogar o mandato do presidente. Esse era o projeto deles.

Assim sendo, não admitam que ninguém diga que as eleições foram atropeladas, ou fraudadas. Eles nunca quiseram eleger presidente algum. Queriam, isso sim, prorrogar o mandato do presidente. Essa é a verdade. Aqui se trata de dizer as coisas como as coisas são. Para obter essa prorrogação, foram feitas muitas ofertas tentadoras. Não quero, agora, expor segredos. Eu, normalmente, nunca faço esse papel. Mas a verdade é que, no nosso país, nenhum segredo se preserva para sempre. E, em poucos dias, toda essa verdade será integralmente revelada.       

Então... O que aconteceu até aqui, que tenha a ver com eleições, foi que um candidato desafiante que jamais venceria as eleições, como todos sabem muito bem, foi indicado candidato, apenas para impedir a que se apresentasse candidato sério, que realmente poderia chegar à presidência. A ideia de eleger um presidente foi bloqueada pelo interesse em prorrogar o mandato do presidente. Mas não deu certo. O projeto de prorrogar o mandato não deu certo.

Mas... Por quê? Por quais razões? Por que se tomou tal posição? Quais as razões? Vou dizer-lhes o que aconteceu. Essa é a verdade. Não acreditem em nada do que ouçam, diferente disso que lhes digo aqui. Primeiro, que o Parlamento não tinha meios possíveis para eleger presidente. Só tinha meios e chance para prorrogar o mandato.

Bem... O importante é continuar a trabalhar. De fato, digo aqui, entre parênteses, o que já disse no início. Caso digam que a culpa é nossa, que a culpa é do Bloco Lealdade à Resistência... Que digam! Que digam o que quiserem. Que digam que arruinamos o país, que arruinamos as eleições, que arruinamos tudo. Que digam o que bem entendam.

Não são vocês que dizem que o presidente tem alto status no Líbano? Se tem, não há lugar aqui para mesuras e cortesias de salão, nem para piadas. Essa questão é questão de responsabilidade nacional histórica, porque nosso país atravessa hoje estágio histórico criticamente decisivo.

Não há problema algum. Estou-lhes dizendo que nós – o Hizbullah e o Bloco Lealdade à Resistência – em nome dos nossos deputados, assumimos toda a responsabilidade. Assumimos toda a responsabilidade. Não há problema algum. A ‘culpa’ é nossa. Nada significa e não há problema algum.

O que haveria de novidade, além do que ouvimos sempre, ao longo de tantos anos? Eles sempre quiseram paralisar o país. Sempre quiseram o vácuo político. Sempre quiseram mudar o estado, o país, o regime. Pois falem! Digam o que mais os interessa.  

Importante, sempre, é que esses objetivos sejam tratados como tarefa séria. Que as negociações sejam conduzidas com seriedade, para que nos levem a alguma coisa que nos tire do vazio político em que estamos.

Isso, quanto à questão presidencial. Estamos abertos, somos acessíveis, responsáveis e sérios. Queremos presidente, o mais rapidamente possível. Queremos presidente, mas não apoiamos a ideia de prorrogar o mandato presidencial.

Mais uma coisa, que pensei em adiar para ocasião futura, mas hoje é Dia da Resistência, e digo-lhes então, hoje mesmo, que não queremos sobrecarregar a questão presidencial com itens que não podem sobrecarrega-la. QUEREMOS UM PRESIDENTE QUE ASSEGURE A ESTABILIDADE DO LÍBANO.

Há, entre nós, uma clara inclinação interna. Mas, às vezes, predominam os termos que se ouvem nos discursos. Concordamos com os companheiros que entendem que sequer é preciso dizer que “queremos um presidente que proteja a Resistência”. Não é o caso. Não é preciso.

Hoje, dia 25/5/2014, eu lhes digo, aqui, que não estamos à procura de presidente que proteja a Resistência no Líbano. Não queremos isso. No Líbano, a Resistência protege o estado, o povo, a nação, a honra, a soberania e a nação.

Nosso objetivo é humilde. Não estamos dizendo que queremos presidente que proteja a Resistência. Lembrem-se de 2006 e do que eu disse em 2006. Queremos um presidente que não conspire contra a Resistência. Queremos um presidente que não apunhale pelas costas a Resistência. Queremos um presidente que tenha visão firme da posição de Resistência. Isso é o que queremos.

Não é condição impossível. E, seja como for, há no país, disponível, essa alternativa? Há, sim, há.

Além disso, no que tenha a ver com a questão local, não importa a situação para a qual estamos andando, há um desejo a manifestar aqui. Chamem de desejo, de pedido, de recomendação, um grito de alerta, chamem como quiserem. Há um tópico, chamado “salários e quadros” que tem a ver com empregados e com o setor público – com professores e militantes enfrentando graves dificuldades em mais de uma região nesse país. Esperemos que essa questão não se misture no conflito e nas disputas que virão. Façamos desse tópico uma exceção, bem como a Universidade Libanesa: que esses dois tópicos sejam, afinal, tratados à parte. Pedimos, recomendamos, exigimos e esperamos que o governo, o parlamento e as forças políticas ouçam nosso desejo... Não é possível que esses temas sejam adiados até depois de todas as questões políticas estarem resolvidas.

Estamos dizendo, todos, que queremos um presidente e um estado, porque o povo libanês precisa disso. Não sacrifiquem o povo ao presidente, ou a seja lá o que pareça interessante a um ou a outro. Só o povo interessa. Esperamos que isso seja levado em consideração.

Irmãos amados! Nessa ocasião – aniversário da vitória do 25 de maio – que todos confiemos no nosso poder e na nossa capacidade para superar desafios, e sejam quais forem os desafios. Todos temos de confiar em nosso poder e em nossa capacidade para construir vitórias, por mais duras, terríveis, que sejam as lutas.

Graças à equação de ouro – exército-povo-resistência, não tememos ‘Israel’ nem suas provocações, nem a ganância deles, nem as ameaças deles. O esquema para atacar a região e o Eixo da Resistência na região e a nação já começou a ruir. O Eixo da Resistência está intacto. O Eixo da Resistência continua a avançar, e chegará à vitória. O que importa aqui no plano interno do Líbano é que guardamos nosso país, a paz e a coexistência civil no Líbano. Temos de ponderar bem nossas escolhas. Cabe a nós fazer as escolhas que defendam e preservem esse país e o futuro desse país.

Saudamos todos os comandantes da Resistência: o líder e fundador da Resistência Sayyed Mussa Sader (que Alá o guarde e seus amigos, forte e seguro) e os comandantes mártires: Sayyed Abbass, Sheikh Ragheb e Hajj Imad. Saudamos nossa nação, nosso povo, todos os nossos povos, e todos os povos honrados do mundo, que lutam unidos nessa luta. Continuaremos atentos e firmes. Resistiremos. Construiremos nossa vitória, nessa era de vitórias.

Que a paz, a graça e as bênçãos de Alá os acompanhem.